A mecânica das eleições e porque seu voto faz a diferença

Você sabe qual a diferença entre eleições majoritárias e proporcionais? Quando há segundo turno? Como funciona apuração de votos? Vamos esclarecer essas e mais dúvidas sobre as eleições.

As eleições são realizadas para o país ser democrático, alternando entre eleições gerais e municipais a cada dois anos. Entenda alguns tópicos importantes.

Mão colocando voto em urna

Segundo turno 

Caso nenhum candidato supere 50% dos votos válidos há uma segunda eleição somente com os mais votados que ocorre poucos dias após o primeiro.
A legislação prevê segundo turno nas eleições para presidente e vice-presidente da República, governadores e vice-governadores dos estados e do Distrito Federal e para prefeitos e vice-prefeitos de municípios com mais de 200 mil eleitores.

 

Eleições proporcionais e eleições majoritárias

As eleições proporcionais são usadas para deputados estaduais ou distritais, federais e vereadores o eleitor pode votar em candidatos “isolados” ou em coligações partidárias. O sistema reúne e contabiliza os votos dos candidatos de cada partido, depois são formadas listas partidárias ordenadas por quantidade de votos. As vagas são distribuídas em entre os partidos com mais votos e depois entre os candidatos mais votados de cada partido.

As eleições majoritárias são usadas para eleger presidente, governadores, prefeitos e senadores é eleito o candidato com a maioria de votos válidos.

 

Apuração de votos

Os votos são registrados de forma aleatórias em uma urna eletrônica, após o fim da votação é impresso um boletim de urna que também é gravado em um dispositivo digital codificado que será enviado para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) assim não é possível identificar os votos dos eleitores.

O TRE verifica as medidas de segurança e os dados são enviados para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que divulga os dados em tempo real na internet.

 

Quem não é obrigado a votar

Pessoas que tiverem entre 16 e 18 anos ou mais de 70 não são obrigados a votar e não precisam justificar a ausência.

 

Titulo irregular

O eleitor que não justificar ausência deve pagar multa e fica impedido de inscrever-se em concurso público, apropriar-se de cargo público, obter passaporte, renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial, obter empréstimos em bancos oficiais, e participar de concorrência pública ou administrativa.

Não votar em três eleições seguidas sendo cada turno equivalente a uma eleição pode ter teu título cancelado, podendo gerar pendência no CPF (Cadastro de Pessoa Física) na Receita Federal ou até mesmo problemas na hora de declarar Imposto de Renda.